O grito da mulher preta

Estilo: cena curta

Sinopse:

Protagonizar histórias de nossas mães, tias, avós é vital para a permanência e resistência de nossos corpos pretos pulsantes perante um sistema patriarcal e exclusivista. O Peso nas costas da minha mãe nasce da necessidade de FALAR. Falar dessas, das nossas, e de outras mulheres. "De muitos nomes tem a mulher preta Da fome de amor, de sexo, de respeito A manutenção da vida que transborda e clama... " (SILVA, Cidinha, 2013).

O grito da mulher preta surge a partir de inquietações que permeiam a solidão da mulher negra, onde se tem uma tradição milenar em que o meio familiar se constrói através do discurso violento, tão quanto racista, misógino e patriarcal. A partir disso, visitamos vivências de matriarcas, mulheres negras, mães, avós, bisavós, como outras mulheres que viveram e vivem nas mazelas deste sistema patriarcal. Buscamos protagonizar essas histórias. O mesmo foi apresentado no Fórum Taculas - Performance de Mulheres Negras, ocorrido nos dias 25 e 26 de Maio de 2019. Foi apresentado num trabalho de conclusão da Disciplina Tópicos em Teatro C – Teatro Negro, ofertada pelo Doutor Marcos Alexandre, ocorrido no dia 24 de junho de 2019.


Ficha Técnica:   Atrizes: Elaisa Souza, Kelly Spínola.


Foto:  Renca Produções

  • Ano de estréia:

    2019

  • Data de inserção

    1 de dezembro de 2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *